Tirar as Sandálias   4 comments


 

Tirar as sandálias

 

Certo homem buscava sem cessar um amor.

As jovens do lugar, ele conhecia todas, ficava a escolher segundo os defeitos, a altura, idéias, pensamentos a fé e mais coisas que podia ver.

Não encontrando no lugar onde nascera e crescera, pediu a sua mãe que lhe cuidasse dos bens porque estaria pelo menos três meses nesse percorrer cidades e aldeias próximas para encontrar um amor.

Sua mãe aceitou, o abençoou e ele se foi levando alguns presentes para quando encontrasse  a pérola desejada.

Quando achava que achava alguém, oferecia flores, fazia poesias e nesse período ia vendo se a jovem era fiel, quantos namorados teve e se os teve.

Era um detalhista, orgulhava-se disto. Dizia sempre:

-Eu procuro uma mulher assim, que seja do meu jeito.

Passou o tempo e voltou de mãos vazias, sua mãe sorridente o recebeu na porta do curral onde cedo fora ver as crias. Já tinha ido à vinha, ao campo de trigo e ao milharal… Seu filho era um homem rico e foi logo perguntando assim que a viu;

– Tudo indo bem mãe?

– Claro meu filho, tudo muito bem. E sua viagem ocorreu tudo bem?

-Sim mamãe, mas nas cidades onde passei e em algumas até me hospedei, não encontrei o que fui buscar.

Sabedora pelo tempo decorrido e pelas estradas percorridas, sua mãe lhe disse:

Agora vá tomar um banho, trocar as roupas de viagem e mandar cuidar dos cavalos, mais tarde fala e conta as novidades.

As luzes acesas no casarão, que mais parecia um palácio na cidade de tão poucas casas, que se sabia ser dia de festa em família.

Um circular de empregados preparando a casa para receber parentes que estariam  ali junto para  saber das novidades.

Todos sequiosos de saber de onde viria a escolhida.

Jantaram, falaram de colheita, do gado, de novas maneiras de plantar e colher, mas de moças não falaram.

A sobrinha mais nova, uma adolescente, já indo embora com seus pais perguntou:

Tio, a noiva?O senhor achou?

Mordeu os lábios  e como era hábito naquele lugar não mentir disse;

-Foram muitas donzelas que conheci, mas não encontrei um amor.

-Que pena tio!…

Todos saíram e somente sua mãe permaneceu, desejou-lhe boa noite , ele  a beijou  nas mãos e foram dormir.

O sol batia nas pedras e escorria nas águas que desabrochava na cascata formada por pequenas pedras postas por seus empregados a seu mando, para assim as águas do rio que passava em suas terras antes de chegar ao mar ali na frente uns três quilômetros, pudesse ser ouvido noite e dia.

Sua mãe sentou-se aguardando que viesse banhar-se como fazia todos os dias.

Entrava nas águas límpidas, pois vinham desde a nascente por entre a floresta que serpenteava a propriedade.

Só tirava as sandálias e com uma espécie de pijama de calças no tornozelo e blusa de mangas até o punho, feitos de linho puro, submergia…

Enquanto banhava-se, conta-se, que nesses momentos ainda com os primeiros raios de sol, recebia em pensamento as idéias de novas empreitadas empresariais.

Nas redondezas nunca houvera alguém tão jovem e tão rico.

Sua mãe continuava sentadinha, e os funcionários trouxeram uma grande toalha e os chinelos para quando saísse do mergulho matinal.

Naquele dia, não entrou em casa como de costume, para ver  com seus  subordinados como ia sua riqueza.

Ao ver sua mãe, preferiu ficar com ela uns momentos, quem sabe para agradecer a sua bondade em ficar cuidando de seus bens por  dias.Enrolou-se na toalha e calçou os chinelos.

Ficou olhando as águas por  uns minutos…O caminho era  passar sob uma pontezinha feita de madeirinhas  cortadas e amarradas , nos beirais flores  de muitas cores, o final era o mar lá bem mais na frente. Mas o seu olhar  acabou por chegar em sua mãe que sorriu  e segurando uma madeirinha  levantou-se e foi ao seu encontro.

 Pegou-lhe delicadamente nas mãos e com a sabedoria dos que andam observando a estrada disse:

– Meu filho, achei e acho que você  age muitíssimo certo quando entra na água de roupa mas tira as sandálias.

-Sim mamãe é o correto.

– Sim, mas quando você entra sem sandálias é para não estragá-las ou para não sujar a água do rio?

Demorou a responder e meio sem graça e sorrindo como menino perante a mãe, esboçou resposta, no que ela logo completou.

Tira as sandálias para não estragá-las meu filho, mas quando tirar por amor pelas águas conseguirá entender como se acha o amor.

Como, minha mãe?

-Sim meu filho, o amor não é uma caixa registradora, o amor é a essência da alma doadora.

Quem dá sem pensar encontra o amor sem precisar procurar.

Você procura a água? Não ,claro que não. Ela está aqui passando tranqüila e pronta para você aproveitá-la.

O amor é assim sempre estará tranqüilo a esperar. Caberá de sua parte quando o achar, doar , como no caso da água  para receber.

Tire as sandálias.

Autora,Denise Figueiredo.

 

Do Livro Aná & Katá

 

 

Quítate las sandalias

 

Un hombre buscaba un amor incesante.

Los jóvenes del lugar, que sabía de todo, fue la segunda selección fallas, la altura, ideas, pensamientos, la fe y más cosas que yo podía ver.

Al no encontrar el lugar donde nació y creció, su madre le pidió que cuidara de la propiedad, ya que sería de al menos tres meses en visitar las ciudades y aldeas cerca de encontrar el amor.

Su madre estuvo de acuerdo, y lo bendijo traía algunos regalos para encontrar la perla cuando se desee.

Cuando le pareció que encontré a alguien, que ofrece flores, poemas y fue en este período a ver si la chica era fiel, cuántos novios y había tenido.

Él era un perfeccionista, estaba orgulloso de ello. Siempre decía:

-Busco una mujer, que es mi manera.

El tiempo pasó y volvió con las manos vacías, su madre lo recibió sonriente a la puerta del corral, donde pronto fuera a ver a los cachorros. Yo había ido a la viña, el campo de trigo y maíz … Su hijo era un hombre rico y estaba preguntando cómo la sierra;

– Todo va buena madre?

– Por supuesto, mi hijo, todo muy bien. Y su viaje fue bien?

"Sí mamá, pero en las ciudades donde he pasado y me quedé un poco de, encontré lo que buscaba.

Sabiduría para el tiempo transcurrido y los caminos recorridos, su madre le dijo:

Ahora ir a tomar una ducha, cambiarse de ropa y los viajes coordinar la atención médica para los caballos, más tarde habla y le dice a la noticia.

Las luces de la mansión, que se parecía más a un palacio en la ciudad casas tan pocos, que se sabe de unas vacaciones con la familia.

Un empleado prepara para pasar en casa para recibir a parientes que estarían allí juntos para aprender cosas nuevas.

Todas las ganas de saber donde fue elegido.

Cenamos, hablamos de cultivos, el ganado, las nuevas formas de siembra y cosecha, pero las chicas no habló.

El más joven sobrina, una adolescente, ya se alejaba con sus padres le preguntó:

Tío, la novia? ¿Tú crees?

Se mordió los dientes y como de costumbre no había ninguna mentira, dijo;

-Había muchos jóvenes que conocía, pero he encontrado un amor.

El tío-¡Qué lástima! …

Todos se fueron y sólo quedó su madre, quiso noche lo bueno, besó sus manos y se fue a dormir.

El sol caía a plomo sobre las rocas y aguas corrientes que floreció en la cascada compuesto por pequeñas piedras colocadas por sus empleados a sus órdenes, con lo que el río que pasa en sus tierras antes de llegar al mar en frente hay un par de kilómetros, podría ser noche y día escuchó.

Su madre se sentó a esperar que venga a bañarse como lo hacía todos los días.

Entrado en el agua, porque venían de la fuente a través del bosque que la propiedad serpenteaba.

Apenas se quitó las sandalias y con una especie de pantalones de pijama y una camisa de manga del tobillo a la muñeca, hecha de lino puro, criticó …

Mientras se baña, cuenta que incluso en estos momentos con los primeros rayos de sol recibidas en el pensamiento de las ideas de nuevos proyectos empresariales.

Cerca de allí nunca había sido alguien tan joven y tan rica.

Su madre seguía sentado allí, y el personal trajo una toalla grande y zapatillas para cuando salga del baño matinal.

Ese día, que entró en la casa como de costumbre, para ver con sus subordinados como era su riqueza.

Al ver a su madre optó por quedarse con ella unos momentos, tal vez para darle las gracias por su amabilidad en el cuidado de llevar sus productos por dias.Enrolou la toalla y ponerse zapatillas.

Vio cómo el agua por unos minutos … El camino estaba pasando por debajo de un pequeño puente hecho de Madeirinha cortan y ligan, las flores de muchos colores aleros, el fin del mar que había mucho por delante. Pero su mirada llegó finalmente a su madre, quien sonrió y explotación Madeirinha una rosa y salió a su encuentro.

 Él la tomó suavemente en sus manos y con la sabiduría de aquellos que están mirando la carretera, dijo:

– Hijo mío, pensé, y creo que actuar correctamente en gran medida al entrar en el agua de la ropa, pero se quita los zapatos.

Sí, mamá tiene razón.

– Sí, pero cuando usted camina sin zapatos no es echar a perder no les suelo o el agua del río?

Lenta para responder y un poco de vergüenza y sonriendo como un niño ante la madre, se refirió a la respuesta, como ella se apresuró a agregar.

Quítate las sandalias no los despojos de mi hijo, pero cuando se tiene un amor de agua capaces de entender cómo encontrar el amor.

Como mi madre?

-Sí, hijo mío, el amor no es una caja registradora, el amor es la esencia del alma de los donantes.

¿Quién da sin pensar encuentra el amor sin mirar.

¿Buscas el agua? No, en absoluto. Ella va sin problemas aquí y listo para que lo disfrutes.

El amor es así siempre estar seguro de que puede esperar. Se ajustará en su parte cuando la encuentra, dando, como en el caso del agua a recibir.

Quítate las sandalias.

 

Autor, Denise Figueiredo 

Libro y Aná Kata

Anúncios

Publicado dezembro 15, 2009 por Denise Figueiredo em PENSAMENTOS

4 Respostas para “Tirar as Sandálias

Assinar os comentários com RSS.

  1. Que texto mais sublime, cara Denise… Obrigada pelo que escreve. Por favor, fique bem. Até sempre. Sofia.+

  2. Estou tirando minhas sandálias e meu chapéu!Amor é a essência da semente, causa e conseqüênciacomeço e fim principalmente o "meio",Lembrou-me São Francisco de Assis e sua eterna oração.Obrigado pelas páginas lindas que nos oferece.Grande e fraterno abraço minha irmã de fé.

  3. Com sandalias, sem sandalias, Com todo o restante ou sem carregar nada mais…O que importa é a motivação oculta, e o quanto se caminhou para chegar até elaCoisa que se o rapaz não tivesse caminhado em sua Busca, em seu anseio, jamais ouviria…Mesmo tendo ao alcance o sabio conselho da mulher, não? rsrsFeliz Ano Novo, de aguas límpidas como as que tem deixado passarOu nem tanto, mas pelo menos com a esperança, e confiança na paz do coração, que valem tanto ou mais!Beijos! Denise

  4. lindo.amei estou emocionada com estas palavras que acabei de ler.valeu denise assim é o verdadeiro amor. nós não precisamos procura-lo ele vem até agente. verdade. feliz 2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog

%d blogueiros gostam disto: