Nem as paredes confesso   4 comments


 

 

Nem as paredes confesso

 

 

O telefone toca e é silêncio!…

Mas como saber…

Não, não é…

Deixa lá, um dia quem sabe?

Hoje eu quero saber mais que isso.

Por exemplo, como o mar cresce só com os rios que nele deságua?

Como o filho reconhece a mãe assim que nasce e busca-lhe o seio?

Como cada fruta tem um sabor?

Como cada olho é um olhar?

E que em trilhões de pessoas nenhuma é igual à outra,

mesmo quando são gêmeas. São parecidas iguais nunca.

Mas ultimamente a pergunta mais original em mim é:

Por que meus olhos vivem a lagrimejar? 

Ondas que são de lágrimas e não de choro.

Não soluço, mas as águas brotam como se rios estivessem vindo de algum lugar.

 

Até que sou uma pessoa alegre, feliz, porque busco a felicidade,

como disse um poeta, a felicidade é um sonho que nasce.

Se ela nasce ela precisa de um parto, que é momento de grande dor.

Mas a tecnologia trouxe a cesariana, quer dizer,

podemos sonhar com a felicidade que não dói, e de repente…

Nos nossos braços! Mas e a anestesia?

 

E no café com Lari, rolava um papo desses de amor,

o que seria, como acontece?…

Sem mais lembrei…

E as águas vieram molhar a beira da praia,

o rosto. Disfarcei, mas Lari, minha amiga desde que o luto da viuvez

 chegou, conhece meu estado, levantou e deu uma vista nas vitrines de doces,

 nos sorvetes e tal, quando volta pergunta:

-O que escreveu?

-Nada, só pensei…

Minha resposta a entristeceu,

Ela sempre lê primeiro que todos o que escrevo.

Mas não lhe conto porque escrevo e nem para quem escrevo.

Também pudera, risos, de quem eu gosto?

 

Nem as paredes confesso.

 

Denise Figueiredo

Extraído do Livro Pérolas

 

 

   

Anúncios

Publicado janeiro 3, 2010 por Denise Figueiredo em PENSAMENTOS

4 Respostas para “Nem as paredes confesso

Assinar os comentários com RSS.

  1. TALVEZ NEM AS PAREDES CONFESSEMOS QUEM REALMENTE SOMOS OU FOMOS, POIS TALVEZ NEM NOS INTERESSEMOS EM SABER.GRANDE BEIJO. ÓTIMO DOMINGO.

  2. Menina do Senhor como estas? Feliz Ano Novo.

  3. Oi Denise!Que maravilha…também eu penso muito, mais do que escrevo. E igualmente nem às paredes confesso o que penso. Às vezes nem a mim própria…Enorme abraço, novo, porque já de 2010.

  4. Não, às paredes cabe ocultar os segredos, Aos amigos , desvendar… rsrs Beijos, um lindo domingo e uma semana cheia de amor e poesia!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog

%d blogueiros gostam disto: