Abismo   3 comments


Abismo

Acordei e ainda era madrugada
Senti o frio do tempo
Encolhi-me para me proteger do vento
Chorei para cobrir meu coração
Queria que estivesses ao meu lado
Queria que não existisse esse abismo entre nós.
Se eu pudesse,
encheria-o com todas as minhas lágrimas
Assim te alcançaria
Ou ainda, deixaria meu coração escorrer
E assim também te alcançaria
Mas não é possível chorar tanto
Não é possível sangrar o bastante, não sozinho
Mas possível é deixar meus pensamentos criar asas
E com elas voar por sobre o abismo
Por sobre qualquer distância
E te envolver nos meus braços
Encostar-me em teu corpo e aquecer-me
Aquecer meu coração
Assim foi até as lágrimas cessarem
Até o frio passar, até eu conseguir dormir
Mesmo que através dos pensamentos
Consegui dormir ao teu lado.

Denise Figueiredo

in Ant. Futuro Feito Presente.
EDIT 2005 ABRALI.EDIT

http://recantodasletras.uol.com.br/poesiasdeamor/146

 

 Abismo

Me desperté y seguía siendo el amanecer
Sentí el frío
Encogido a mí para protegerme del viento
Lloré mi corazón para cubrir
Deseo que estuvieras a mi lado
Me gustaría que no había división entre nosotros.
Si yo pudiera,
llenarlo con todas mis lágrimas
Una vez que llegue
O bien, dejar que mi corazón de flujo
Y así se llega
Pero no se puede llorar tanto
Usted no puede sangrar bastante, no solo
Pero es posible dejar que mis pensamientos crecen alas
Y vuelan sobre el abismo
En cualquier distancia
Y tenerte en mis brazos
Tira de mí en su cuerpo y me caliente
Calienta mi corazón
Así fue hasta que las lágrimas parada
Hasta los pases frío, hasta que llego a dormir
Incluso a través de los pensamientos
He dormido a tu lado.

Denise Figueiredo

En la colección de poetas
 Futuro hecho presente.
EDIT 2005 ABRALI.EDIT

 

Anúncios

Publicado maio 28, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

3 Respostas para “Abismo

Assinar os comentários com RSS.

  1. Olá!Ausente mas não esquecida, passo desejar-te uma boa continuação de semana…http://www.youtube.com/watch?v=eoKBekb7BcICada momento é de ouro se o soubermos reconhecer como tal Henry MillerBeijos e até breve……………………………(¯`°v°´¯)……………………………..(_.^._)Céuhttp://i840.photobucket.com/albums/zz321/meuteutempo/ceu-3.jpg

  2. Olhai os lírios do campo só a liberdade permitesaudades de mim talvez nas mãos desconhecidascerteza de poder ensinar-te uma verdade intensaOlhai os lírios do campo nestes olhos dados ao marTrago nos lábios a erva branca da esperançaTrago no corpo bandeiras de revolta as papoilasTrago nos olhos o teu sol negro LiberdadeOlhai os lírios do campo estrelas embriagadas são caríciasesfiampadas são orvalho são manhãErgue-se o corpo jovem à altura de um horizonteÁgil poema de vida e amor são os meus ombros figuralongínqua que aumenta ao longo da erva e contorna o meuser inutilizando toda a restante imagemOlhai os lírios do mar lagos de esperança contidaAs mãos tão repousadas por armas de revolta cantam as sombras caiadasÍris de teias de aranhadesvendam amor nas searasOlhai o lírio do tempono mar virgem por dentro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog

%d blogueiros gostam disto: