Arquivo da categoria ‘Poesias

Dourado ou prata!   10 comments


Dourado ou prata!


 

Céu azul ou chuva?

Cantoria ou boca cerrada?

Não importa,

Se janela aberta,

Ou hora morta.


O ano nao tem fim

Porque o tempo não se corta.

De festas e choros segue a vida.

De amarelos e gris,

Assim a história nos diz.

Custa pouco ser feliz!


Dia a dia….

Jardins de rosas

Ou árvores grandes e fortes

De orquídeas penduradas.

Em meninos ou velhos,

Fartam-se os olhos…

Que de lágrimas

Molham alma, corpo e destino!


Pouso dourado,

Rio sangrento,

Mãos que largam,

Ou vida que nasce?


Será o sol de argento

Querendo por um momento,

Trazer para dentro,

Um novo advento?


Denise Figueiredo

Rienda

©2011

http://www.facebook.com/notes/denise-figueiredo/dourado-ou-prata/190969650917409

Publicado janeiro 1, 2011 por Denise Figueiredo em Poesias

Vou poetar em BRASÍLIA!!!!!!!!!!   14 comments


Vou poetar em

BRASÍLIA

Vou poetar em Brasilia…

Banhar-me em águas …

Naturais e quentes.

Matar saudades…

Comer arroz de pequi,

Um peixinho na telha que adoro,

Aipim…

com carne seca…

e mateiga de garrafa …

Aí eu choro!!!!!!

Quero ver chuva,

Mas acho que não vou ver…

Verei sim,

O céu como não vejo aqui.

As  nuvens brancas como algodão

Na palma da minha mão

E  o sol quente fritando ovo no chão.

Vou fazer  o que não consigo,

Deixar o tempo passar,

Abraçando…

A quem quer me abraçar!

Escutar pássaros, carros e aviões.

Ver ruas vazias ,gente a trabalhar.

Colher amoras com a Bia

Na estrada vendo carros a passar,

Sentar nas sombras das  árvores.

De simples tardes fazer poesia

E no luar estrelas contar.

Andar com prazer nas ruas largas,

Pisar na terra vermelha

Que dentro de nós entra

Sem pedir para entrar.

Transitar pelas quadras

Sem medo de encontrá-lo.

Sei que ali não está

Que longe muito longe…

Está a me esperar.

Tempo, trabalho e ansiedade,

É teu nome e apelido,

Que esqueci num suspiro.

Quando de férias para Brasília

No avião eu embarcar.

Denise Figueiredo

Meus sonhos

©2010

Publicado setembro 13, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

e … A Poetisa acordou na esquina da Graça.   3 comments


Avenida da Liberdade, vista do alto, Praça Marquês de Pombal, Lisboa.

Ao poeta  que acordou na esquina da Graça

A saudade é um facto

Que traz o fado aos ouvidos,

Mas vem com ele o alto

Da nossa querida Lisboa,

Lá, as gaivotas não param de voar,

Nem os poetas de  contar.

Tristeza danada essa !

Portugal meu mar e meu chão ,

Meu céu também e de meu amor.

Canto nas esquinas e nos jardins,

Nas vilas e nas aldeias  aonde vamos,

Pelas  estradas  sem fins…

Entre nós um oceano…

Sou o filho que chora o pai que se foi,

Mas deixou força e fibra nas terras mil.

Do destino,  de seu filho Brasil!

Denise Figueiredo

©2010

In Razão para Amar

II edição

Publicado setembro 4, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

O AMOR É UMA TÁBUA NO MAR   Leave a comment


O amor é uma tábua no mar
Salva a alma que morre
E leva seu corpo a cantar.
Denise Figueiredo
Divagando
©2010
El amor es una tabla en el mar
Guarda el alma muere
Y tomar su cuerpo para cantar.
Denise Figueiredo
Laberíntico
© 2010
L’amour est une planche dans la mer
Enregistre l’âme meurt
Et prenez votre corps à chanter.
Denise Figueiredo
Randonnée
© 2010
Love is a plank in the sea
Saves the soul dies
And take your body to sing.
Denise Figueiredo
Rambling
© 2010
L’amore è una tavola in mare
Consente di salvare l’anima muore
E prendere il tuo corpo a cantare.
Denise Figueiredo
Vagante
© 2010

Publicado setembro 3, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

Conversa…   Leave a comment


 

 

Conversa…

Hoje acheguei-me a natureza…
Ela  fala  comigo nesse lindo  dia de sol,
Na folha que veio na janela com o vento do mar,
Nos filhos que  me deram olá mamy 

No teu bom dia amor meu…
Sigo a dançar esperando o dia acabar
E sei ainda vou muitas coisas encontrar.
Mas tudo seria inútil eu aproveitar,

Se não reconhecesse a autoria e senhorio.
Amado da minha alma ,
Hoje mais que nunca quero dizer;
Amo-TE!

Denise Figueiredo
In Razão Para Amar
©2008

Publicado agosto 25, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

Flores para você minha amiga!   10 comments


Flores para você minha amiga!

Porque  a vida é um jardim

e as muitas flores do caminhosão  a razão de estarmos vivos.

Há um canteiro a descobrir e uma florada por acontecer.

Denise Figueiredo

Em Divagando

©2010

Flores para ti, mi amiga!

Porque la vida es un jardín
y muchas flores del camino
son la razón de que estamos vivos.
Hay un jardin nuevo para descubrir
y una flor que se produzca. 

Denise Figueiredo
En
Laberíntico
© 2010

Publicado julho 2, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

Aroma   3 comments


AROMA

Suspirastes por esse aroma,
Dores arquetípicas e sem causa.
Mas a vida é uma pausa
Antes da eterna chegada.

A flor formosa e perfumada
Dos amantes,adorada,
Do estudioso a fragrância,
De Deus a perfeição.

Quem me dera ser
Do jasmim o aroma,
O jardim de todas as flores
E pudesse deixar saudade!…

Ser a cidade formosa
Em ouro e pedras preciosas
Do amor, revelada,
Presente de rei.

Mas sou apenas a névoa
A verdadeira cidadela?
Não sei, não saberás…
Mas decerto que amarás.

Denise Figueiredo
" In Segredos"
© 2008

AROMA

Anhelan el aroma,
Arquetipo y dolores sin causa.
Pero la vida es una pausa
Antes de la llegada eterna.

La flor hermosa y fragante
Los amantes, amados,
fragancia Académico,
la perfección de Dios.

Me gustaría ser
El aroma del jazmín,
El jardín de las flores
Y podría dejar la nostalgia! …

Al ser la hermosa ciudad
El oro y piedras preciosas
De amor revelado,
Presente rey.

Pero yo sólo soy la niebla
La ciudadela real?
No sé, no sé …
Pero seguramente le encantarán.

Denise Figueiredo
"En los Secretos"
© 2008

Publicado junho 7, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog