Há fogo!   7 comments


Há fogo!

Hoje quero ler poesia
Navegar por olhos que choram.
Da dor,sons de violinos…Pura aleivosia!…
Que minha alma toca.
 

Que toca por encanto
De tão longe o meu coração
Só com palavras e, no entanto,
Chego a ver tua mão.
 

Cortaram as linhas,
Mas não apagaram o fogo.
Ele é o fulgor das letras
E o vulcão de palavras!
 

Que na poesia eu vejo,
Chorando por ensejo.
De ver tua mão e não  a tocar.
E isso tudo, por muito te amar

Denise Figueiredo
©2010
Do livro
Meus sonhos

 

 

Anúncios

Publicado agosto 25, 2010 por Denise Figueiredo em Uncategorized

Conversa…   Leave a comment


 

 

Conversa…

Hoje acheguei-me a natureza…
Ela  fala  comigo nesse lindo  dia de sol,
Na folha que veio na janela com o vento do mar,
Nos filhos que  me deram olá mamy 

No teu bom dia amor meu…
Sigo a dançar esperando o dia acabar
E sei ainda vou muitas coisas encontrar.
Mas tudo seria inútil eu aproveitar,

Se não reconhecesse a autoria e senhorio.
Amado da minha alma ,
Hoje mais que nunca quero dizer;
Amo-TE!

Denise Figueiredo
In Razão Para Amar
©2008

Publicado agosto 25, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

Olhos cansados   2 comments


Olhos cansados
Teus olhos que parecem cansados
A meu ver são vasos cheios de flores
Jóia rara vista por dois olhos amados
Num jardim perfeito de amores.
Quisera eu te amo poder dizer
No espaço que não nos pode conter.
As nuvens que agora cobrem esse mar
Darei ordens que levem-me para além-mar.
Tanta chama para a pagar
Escombros e pedras há por remover
Muita obra à edificar
E eu a ver teus olhos e sofrer!…
Amor…Amor meu!…
Nos versos encantados vou indo,
Mergulhada na luz que de ti está vindo,
Assim espero te abraçar sorrindo.
Denise Figueiredo
In Segredos
© 2008

Publicado agosto 11, 2010 por Denise Figueiredo em Uncategorized

Flores para você minha amiga!   10 comments


Flores para você minha amiga!

Porque  a vida é um jardim

e as muitas flores do caminhosão  a razão de estarmos vivos.

Há um canteiro a descobrir e uma florada por acontecer.

Denise Figueiredo

Em Divagando

©2010

Flores para ti, mi amiga!

Porque la vida es un jardín
y muchas flores del camino
son la razón de que estamos vivos.
Hay un jardin nuevo para descubrir
y una flor que se produzca. 

Denise Figueiredo
En
Laberíntico
© 2010

Publicado julho 2, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

A Flor Mais Grande do Mundo * Jose Saramago *   12 comments


E se os contos infantis forem de leitura obrigatória para adultos?

Seríamos realmente  capazes  de aprender  o que,

desde há muito  tempo vimos ensinando?

Jose Saramago

Escritor português, prêmio Nobel de literatura  ano de 1998.

Publicado junho 19, 2010 por Denise Figueiredo em Homenagens

FLORES E FOLHAS SECAS   5 comments


  

FLORES E FOLHAS SECAS

As flores que eu colhi,
Contei todas, uma a uma,
Secas no meio das folhas
Do livro que hoje eu lia…
Guardei até as folhas!…
Pois nela julgava,
continham algo…
Era o que me ia n’alma,
Pelo tempo…
Não errei.
Hoje abro a primeira página,
Nela busco a rosa colhida
No dia  da partida da bela inocência
No limiar da adolescência…
Vou olhando vou  tocando
As pétalas visualizando!…
Os amigos, os amores, vão chegando,
Com alma, aromas e cores…
Um jardim florindo aqui dentro
Brotam  raízes!…
Afloram orquídeas, azaléias, cravos,
Um caramanchão de rosas,
Todas e todos a minha volta…
São amigos novos que chegaram,
Hoje com eles tomo café,
São minhas crianças,
Com elas divido a fé…
São os netos a minha volta
A pedir muitas estórias,
Ou mesmo a nossa história,
Eu sentada em um banquinho…
Vou contando e em flores vou tocando
Eu contando e eles se admirando!
Como flores viram histórias,
E das secas faz-se um jardim.
Denise Figueiredo
Em
Dois Povos
um destino
2ª Antologia LiteráriaAno II 2006
Ed Abrali
Grupo Ecos da Poesia
FLORES SECAS Y HOJAS

Las flores que recogió,
En total, uno por uno
Las sequías en el centro de las hojas
El libro que he leído hoy …
Guardé las hojas! …
Debido a que en su opinión,
había algo …
Era lo que estaba pasando en su alma,
Por el momento …
No mal.
Hoy abro la primera página
Busco su rosa cosechada
En el día de la salida de la hermosa inocencia
En el umbral de la adolescencia …
Voy a ver jugar
Pétalos ver! …
Amigos, amantes, llegar,
Con el alma, los olores y colores …
Un jardín en flor aquí
Brotar raíces! …
Afloramiento orquídeas, azaleas, claveles,
Una enramada de rosas,
Todos y cada uno alrededor de mí …
Los amigos son recién llegados,
Hoy me tomo un café con ellos,
Ellos son mis hijos,
Con ellos comparto la fe …
Ellos son los nietos a mi alrededor
Hacer muchas historias,
O incluso de nuestra historia,
Me senté en un taburete …
Cuento con flores y tocando yo
Yo admiraba ellos y siguen contando!
Ha visto historias como las flores,
Y es el jardín seco.
 
Denise Figueiredo
Em
Dois Povos
um destino
2ª Antologia LiteráriaAno II 2006
Ed Abrali
Grupo Ecos da Poesia
 

Publicado junho 16, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias faladas

Feliz dia dos NAMORADOS!   4 comments


 

 

 

Quando temos a alegria de dizer que amamos,
Nem o plácido olhar ou a mão ao afagarmos os olhos de quem amamos,
Tem o mesmo prazer das palavras.

Quanto mais o sorriso que invade em nosso olhar .
Quando dizemos que amamos
E escutamos de alguém
Que é feliz por nos amar!

São EMOÇÕES que a própria RAZÃO desconhece.
mas acontece

Denise Figueiredo

©2010

 

 

 

Não  esqueça de dizer 

Amo-te

Não importa a distância,

Não importa o tempo,

Não importa as circunstâncias,

Amo-te  apesar de mim! 

Denise Figueiredo

©2010

 

    

O que não se pode explicar aos normais

 

Sobre o amor e o desamor, sobre a paixão,

Sobre ficar, sobre desejar, como saber te amar,

Sobre querer, sobre entender, sem esquecer,

Sobre a verdade e a ilusão,

Quem afinal é você,

Quem de nós vai mostrar realmente o quer,

Um coração nesse furacão, ilhado onde estiver,

O meu querer é complicado demais,

Quero o que não se pode explicar aos normais,

Sobre o porque de tantos porquês,

E responder

Entre a razão e a emoção eu escolhi você!

Música e poesia  Catedral

 

Lo que no puede explicar la normal

Sobre el amor y el amor no, sobre la pasión,
Acerca de subir, cómo sabes que te amo
Acerca de querer, de la comprensión, el olvido no,
Acerca de la verdad y la ilusión,
¿Quién es usted de todos modos,
¿Quién nos mostrará realmente quieren,
Un corazón que el huracán, donde se encuentran aislados,
Mi deseo es demasiado complicado,
Quiero lo que no puede explicar la normal
Acerca de por qué tantos porqués,
Y para responder a
Entre la razón y la emoción que usted elija!

 Música e poesia Catedral

Publicado junho 12, 2010 por Denise Figueiredo em Homenagens

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog