Arquivo por Autor

Mulher   Leave a comment


MULHER

 

 

MULHER

Mulher!…
Mulher!…
Mulher!…

Sem apelo,
E com zelo.
Somos ponta,
Somos contas.

Do carretel a linha,
Que sustenta a pipa no céu.
Do bolo o enfeite,
E o açúcar para deleite.

Somos prazer
Em te conhecer,
Somos a alegria de viver,
Sorrisos e choros para vencer.

Aceitamos,
Compreendemos.
Contemporizamos
E transformamos.
Somos a fôrma,
Deus dá a forma!

Denise Figueiredo

Do Livro
Meus sonhos
© 2010

Publicado março 8, 2014 por Denise Figueiredo em Uncategorized

Dourado ou prata!   10 comments


Dourado ou prata!


 

Céu azul ou chuva?

Cantoria ou boca cerrada?

Não importa,

Se janela aberta,

Ou hora morta.


O ano nao tem fim

Porque o tempo não se corta.

De festas e choros segue a vida.

De amarelos e gris,

Assim a história nos diz.

Custa pouco ser feliz!


Dia a dia….

Jardins de rosas

Ou árvores grandes e fortes

De orquídeas penduradas.

Em meninos ou velhos,

Fartam-se os olhos…

Que de lágrimas

Molham alma, corpo e destino!


Pouso dourado,

Rio sangrento,

Mãos que largam,

Ou vida que nasce?


Será o sol de argento

Querendo por um momento,

Trazer para dentro,

Um novo advento?


Denise Figueiredo

Rienda

©2011

http://www.facebook.com/notes/denise-figueiredo/dourado-ou-prata/190969650917409

Publicado janeiro 1, 2011 por Denise Figueiredo em Poesias

Vou poetar em BRASÍLIA!!!!!!!!!!   14 comments


Vou poetar em

BRASÍLIA

Vou poetar em Brasilia…

Banhar-me em águas …

Naturais e quentes.

Matar saudades…

Comer arroz de pequi,

Um peixinho na telha que adoro,

Aipim…

com carne seca…

e mateiga de garrafa …

Aí eu choro!!!!!!

Quero ver chuva,

Mas acho que não vou ver…

Verei sim,

O céu como não vejo aqui.

As  nuvens brancas como algodão

Na palma da minha mão

E  o sol quente fritando ovo no chão.

Vou fazer  o que não consigo,

Deixar o tempo passar,

Abraçando…

A quem quer me abraçar!

Escutar pássaros, carros e aviões.

Ver ruas vazias ,gente a trabalhar.

Colher amoras com a Bia

Na estrada vendo carros a passar,

Sentar nas sombras das  árvores.

De simples tardes fazer poesia

E no luar estrelas contar.

Andar com prazer nas ruas largas,

Pisar na terra vermelha

Que dentro de nós entra

Sem pedir para entrar.

Transitar pelas quadras

Sem medo de encontrá-lo.

Sei que ali não está

Que longe muito longe…

Está a me esperar.

Tempo, trabalho e ansiedade,

É teu nome e apelido,

Que esqueci num suspiro.

Quando de férias para Brasília

No avião eu embarcar.

Denise Figueiredo

Meus sonhos

©2010

Publicado setembro 13, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

Andrea Bocelli & Eros ramazotti ~ Nel Coure Lei   4 comments


Publicado setembro 6, 2010 por Denise Figueiredo em Música

e … A Poetisa acordou na esquina da Graça.   3 comments


Avenida da Liberdade, vista do alto, Praça Marquês de Pombal, Lisboa.

Ao poeta  que acordou na esquina da Graça

A saudade é um facto

Que traz o fado aos ouvidos,

Mas vem com ele o alto

Da nossa querida Lisboa,

Lá, as gaivotas não param de voar,

Nem os poetas de  contar.

Tristeza danada essa !

Portugal meu mar e meu chão ,

Meu céu também e de meu amor.

Canto nas esquinas e nos jardins,

Nas vilas e nas aldeias  aonde vamos,

Pelas  estradas  sem fins…

Entre nós um oceano…

Sou o filho que chora o pai que se foi,

Mas deixou força e fibra nas terras mil.

Do destino,  de seu filho Brasil!

Denise Figueiredo

©2010

In Razão para Amar

II edição

Publicado setembro 4, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

O AMOR É UMA TÁBUA NO MAR   Leave a comment


O amor é uma tábua no mar
Salva a alma que morre
E leva seu corpo a cantar.
Denise Figueiredo
Divagando
©2010
El amor es una tabla en el mar
Guarda el alma muere
Y tomar su cuerpo para cantar.
Denise Figueiredo
Laberíntico
© 2010
L’amour est une planche dans la mer
Enregistre l’âme meurt
Et prenez votre corps à chanter.
Denise Figueiredo
Randonnée
© 2010
Love is a plank in the sea
Saves the soul dies
And take your body to sing.
Denise Figueiredo
Rambling
© 2010
L’amore è una tavola in mare
Consente di salvare l’anima muore
E prendere il tuo corpo a cantare.
Denise Figueiredo
Vagante
© 2010

Publicado setembro 3, 2010 por Denise Figueiredo em Poesias

IVETE SANGALO : SE EU NÃO TE AMASSE TANTO ASSIM   Leave a comment


Publicado setembro 3, 2010 por Denise Figueiredo em Música

De Janeiro a Janeiro

by Mariana Alcântara

Espaço de Celina

Criação literária de Celina Bittencourt

Paulo Alexandre Henriques

Escritor e Poeta português

Gotasdepoesia's Blog

Just another WordPress.com weblog